… and a happy new year

Fim de ano se aproxima a passos largos. Exatamente 5 horas e 11 minutos para o fim de 2010. O fim da primeira década do século 21. E pensar que há 10 anos, eu estava na expectativa de completar 15 anos! Passava meus reveillons no Minas Tênis Clube com meus primos dançando feio. Dançar feio, nada mais é, que se jogar na dança. Adicionar aos passinhos movimentos dos anos 90, 80.. 60. Mas principalmente 80! Meus amigos nunca gostaram do meu dançar feio, mas uma vez que começavam a dançar, impossível de parar. Lembro de um reveillon no Minas que dançava feio com meu primo Conrado, e seus primos, quando passou por nós uma mulher, acompanhada pelos seus filhos (mais ou menos da minha idade, na época) e de seu marido. Ao nos ver dançando, ela parou e começou a dançar com agente. O pai, na mesma hora, se enturmou também. Os filhos, ficaram de bico, no canto, olhando torto, mas tenho certeza, doidos para se juntar a nós.

Fim de ano é sempre assim para mim. Esquecer que há julgamentos, e se jogar.

Desejo a todos que lêem o blog que Deus os abençoe no próximo ano que chega, que sejam felizes, que dancem feio o ano todo, que vistam branco todos os dias, que bebam champagne (ou similar) sempre que der vontade, que soltem fogos de artifício sempre que quiserem sentir o cheiro de pólvora, comemorar o gol do seu time (GALO!!!!!) ou apenas for the sake of it.

Um excelente 2011 a todos!

 

Quase Natal

A beleza do gelo esconde a maldade de sua superfície irritantemente lisa. Apesar de todo o brilho que o gelo dá à calçadas, carros e qualquer outro objeto outrora ignorado pela falta de cores, ele também me causa dor.

Meus músculos se contraem como forma de me firmar no chão escorregadio. Minhas mãos ficam doloridas e sinto as suas extremidades queimarem. O simples ato de abrir e fechar as mãos se torna uma tarefa digna de boa tortura!

O gelo que se acumula nas calçadas quase me impedem de sair de casa. Mas penso duas vezes e agradeço, mais uma vez, o privilégio de poder experimentar (e me dar o direito de odiar de vez em quando) o gelo, a neve, o frio.

Com quase 4 cm de gelo acumulado na entrada de casa, me equilibro todas as vezes que eu entro e saio pela porta. O esforço para me manter em pé não é diferente nas ruas que me levam ao city center e estação de trens. É fácil perceber que as temperaturas amenas (e coloca amena nelas) fez com que as compras de última hora, tão comuns no Brasil (talvez mais comuns que as compras antecipadas), fossem feitas de maneiras não convencionais, ou melhor online. Os correios ingleses já mandaram avisos dizendo que não estão dando conta de toda a demanda, e para dificultar, o gelo nas estradas faz com que alguns lugares da Grã-Bretanha ficasse praticamente inacessíveis, acumulando mais e mais pacotes de presentes, que infelizmente, só chegarão a seus destinos bem depois da passagem do bom velhinho. Triste de pensar que diversar crianças não receberão seus presentes na manhã de Natal.

A previsão do tempo passou a ser algo indispensável em meu dia. Quero dar adeus à camada de gelo, quero poder andar sem dificuldades, CORRER! Não, agora correr é um atentado aos bons costumes e ética! Não se corre quando a maior parte das pessoas não consegue se quer andar alguns metros sem dar uma patinada.

Hoje chove, e já vejo as ruas serem lavadas e a camada sólida de gelo começa a derreter. Temo pela noite. É durante a noite que as temperaturas são as mais baixas e aí as poças de água, gelada, se congelem, transformando em novas e maiores poças de gelo.

 

Papai Noel, eu sei que eu reclamo de frio, de neve, de gelo, mas, por favor, será que da para mandar uma nevezinha no Natal. Só para ter aquela coisa de White Christmas. Pode ser?

 

Casamento Ingles #2

Quem lembra de um casamento que eu fui aqui na Inglaterra? Ninguém né?! Só eu mesma, eu acho! Hehe

Bom, sairam as fotos da fotografa, e resolvi colocar aqui!

Uma das noivas (mulheres) mais lindas que eu já conheci! E o pior, é uma flor de pessoa!!!

Uma das noivas (mulheres) mais lindas que eu já conheci! E o pior, é uma flor de pessoa!!!

Best Men, Ushers e o Noivo (nao nessa respectiva ordem - o noivo é o q olha pra camera com a cabeca meio torta)

Best Men, Ushers e o Noivo (nao nessa respectiva ordem - o noivo é o q olha pra camera com a cabeca meio torta)

Nao é nenhuma danca, é o vento!

Nao é nenhuma danca, é o vento!

Louise - Linda, linda, linda!

Louise - Linda, linda, linda!

 

Diálogos entre Mr M e eu #2

Mr. M chegou em casa depois do trabalho, eu estava em Brighton. Liguei do trem perguntando se ele precisava de alguma coisa. Ele falou que não. Perguntei se ele estava na cidade e ele falou que sim. Sugeri nos encontrarmos. Ele falou que não.

Chegando em casa, ele passa a noite inteira no computador, longe de mim, e longe de espelhos… hahaha eu sou phueda, ele tava sentado atrás dum espelho e pude ver que ele ia comprar as pulseiras que eu pedi. Quando ele viu que eu vi, ele me falou que eu podia ir compra-las sozinha, porque ele não ia mais me dar pulseiras de natal! Hummfff.

No final da noite, quase antes de dormir, Mr. M está sentado no chão da sala. Desolado.

– Flipping mental! Never bought such an expensive present for anyone! You should be grateful.

Wohoooo!!!!!!!!!

Protestos em Londres

Quantas vezes (por dia) você reclama que o preço da mensalidade da escola, da universidade, da passagem de ônibus, da tarifa do taxi estão caras? Pelo menos umas trezentas e duas né?! Quantas vezes você já fez algo para mudar isso? Sei lá… escreveu uma carta pro dono da empresa do ônibus falando para ele maneirar, falou com o diretor da escola que se ele não abaixasse a mensalidade, você matricularia seu filho na escola rival, que é o mesmo preço, que sentou na área de convivência da universidade e se recusou a entrar em sala com tantos outros colegas, num manifesto contra o aumento do valor pago à instituição? Deixe-me adivinhar… NUNCA?

Eu me lembro de uma manifestação a qual eu participei. Estava no colégio, 8ª série, 14 anos de idade. Na volta às aulas, depois do recesso de julho, descobrimos que o Colégio Loyola havia demitido os professores de educação física mais velhos (e adorados) e deixaram somente os novinhos, que ninguém tinha qualquer afeição.

Centenas de estudantes, vestindo preto, sentaram em frente ao colégio, na Av. Do Contorno, em Belo Horizonte, literalmente parando o tráfego de veículos numa das mais movimentadas avenidas da cidade. Foi chamada a cavalaria da PM e nos colocaram dentro de salas. Os alunos que estavam vestindo preto levaram ocorrência (ou advertência, ou papelzinho) para casa, os que não quiseram ser punidos novamente, simplesmente vestiram o uniforme novamente. O colégio nunca deu qualquer satisfação quanto ao episódio. Nenhuma explicação do porque da demissão de professores tão queridos, e nós, honestamente, nunca cobramos.

Beleza, e você tá me contando isso por quê?

Provavelmente saiu nas manchetes dos principais jornais sobre o protesto dos estudantes em Londres. Eles protestam contra o aumento das fees (espécie de taxa), educação após os 16 anos (aqui na Inglaterra, a escola termina aos 16 anos. Depois se vai para a College, onde se fazem cursos técnicos ou básicos, como Engenharia sem especificidades), financiamento estudantil para aqueles de classes mais pobres, entre outros (que inclui estudo nas penitenciárias).

Às vezes acho que estamos anos-luz atrás dos britões, e talvez europeus, no quesito de brigar pelos seus interesses. Muitas pessoas que estavam nos protestos não serão afetadas com as mudanças que o parlamento pretende fazer nos sistema educacional, mas estavam ali, porque sabem que, de uma forma ou de outra, as consequências irão afetar a todos.

Infelizmente, os protestos tem saído do controle. Praças tem seus bancos quebrados, prédios são invadidos e têm andares inteiros depredados, pessoas são feridas. Sabe aquela velha frasezinha “aí, você perdeu a razão”. Protestos são sempre salutares. Principalmente quando se trata de assuntos tão importantes como a educação, mas peraí! Sua liberdade termina quando começa a do outro. Eles estão querendo que o governo não faça cortes de orçamento, mas mesmo assim destroem tudo que veem pela frente! Querem ser ouvidos, mas atacam o carro que levava o Príncipe Charles e a Duquesa da Cornuália, Camilla (adoro o fato que ela é duquesa da cornuália! Piadinha é que, Diana – que Deus a tenha – não foi a mais fiél das esposas. Charles é corno. Cornuália… tu du du pá! Tchan). Eles perderam a razão. As pessoas, que antes apoiavam os protestos pela causa, estão, agora, temendo os estudantes.

Carro que transportava Príncipe Charles e a Duquesa da Cornuália, Camilla.

* imagens da Agencia Routers

Banho é bom, banho é muito bom!!!

Pensa no seu banho. Se você está no Brasil, significa que tem um chuveiro, a pelo menos 2 metros de altura, que despeja uma quantidade enorme de água sobre o seu corpo. Se você está na Inglaterra, numa casa (hotel não vale) tradicional, sem reformas modernas, a única coisa que lhe vem a cabeça é o chuveirinho. Hã?! Sim. Ninguém contou aos britões que existe chuveiros, chuveirões, chuveiradas, duchas, gorduchas…

Não, aqui se toma banho com chuveirinho. Na boa, não faz muita diferença no banho. A não ser que ao invés de segurar o shampoo com as duas mãos, você tem que segurar o chuveirinho com uma, com uns dedos segurar o shampoo, e com a outra mão espalha-lo pelo cabelo. Isso se você não quiser congelar e colocar o chuveirinho de volta ao seu gancho (é igual, mesma coisa, similar, a um telefone antigo, fala que não), ou no chão.

Não sei porque é assim, só sei que é assim.

 

 

 

Oke, normalmente tem um gancho alto, para que o chuveirinho vire chuveiro, mannnnsssss para mim não funciona, porque eu sou alta (1.78m de acordo com a última medição) e a água vem diretamente na minha testa.

Pra finalizar, minha neguinha que eu amo de paixão cantando música do comercial da Johnson&Johnson…

Diálogos entre Mr M e eu

Meu skype estava logado no Iphone dele. Eu estava conversando com meu amigo querido Cláudio, quando aproveitei a ocasião, sabendo que Mr. M recebia as mensagens no celular e falei “ Oh M., you could go to One-Stop on the way home and bring me some orange juice huh”. Não houve qualquer resposta. Pensei que ele cansou das mensagens trocadas por mim e Cláudio e desconectou meu skype do celular.

Quando ele chega em casa…

Além do chocolate, também teve suco de laranja!

Queria pedir a todos que me parabenizem por um feito histórico: UM MÊS SEM QUALQUER TIPO DE FAST-FOOD (does cornish pasty count as fast-food?). Obrigada!

 

 

Frio, bem frio

Quem está no hemisfério norte, principalmente Europa e Grã-Bretanha* sabem bem a diferença de um dia BEM frio (-2°C prá baixo) e de um dia de neve.

O dia de neve é lindo! Tudo branquinho, neve até o tornozelo, nada funciona, cafés lotados, váááárias pessoas tirando fotos pela cidade, crianças jogando bolas de neve nas outras, namorados dando tackle nas namoradas para que elas caiam e se “sujem” de neve e deixe de ser frescas, e coisas do tipo. Com o passar do dia, e do frio, as coisas não ficam lindas, conforme eu falei no post da neve.

Mas o dia frio, BEM frio, consegue ser pior que o dia da neve, com ruas deslizantes. O dia frio, BEM frio, faz com que você não consiga respirar pelo nariz, e sim pela boca. O ar gélido, que entra pela sua boca, quase congela sua garganta. Não demora muito e você começa a sofrer as consequências, ou melhor, A CONSEQUÊNCIA: dor de garganta. Inevitável.

A média dos -2°C faz com que os carros congelem. Uma crosta de gelo (e não neve) se forma em sua lataria. A única forma de poder dirigir o carango é, antes de qualquer coisa, jogar água quente no vidro, ligar o carro, deixar ele ligado com aquecedor por alguns momentos até que possa entrar sem congelar. As ruas ficam perigosas. A falta da neve nos faz ficar confiantes e esquecemos do gelo que se forma nas calçadas e ruas. É mais comum ver pessoas deslizando agora do que quando com neve.

O ar gélido faz com que as pontas dos dedos fiquem roxas, como que se as unhas estivesse cobertas por uma camada de esmalte roxo. Ao adentrar qualquer estabelecimento com aquecedor, as pontas dos dedos queimam, como se estivessem dentro de um forno. O nariz se torna um órgão do seu corpo completamente inútil já que, no meu caso, respirar por ele é, apenas, uma vaga lembrança. Minha garganta já está pedindo socorro há tempos, e minhas pobres orelhas… tão pequenas (tenho orelhas e pulsos minúsculos, que viram motivos de chacota, então, caros leitores, espero que vocês sejam adoradores de pulsos e orelhas pequenas – short story: estava numa loja, querendo comprar relógios. Sempre gostei dos modelos masculinos, cebolão. Perguntei à vendedora se havia algum que tinha a pulseira ajustável. Ela olhou para o meu pulso, pediu licensa, mediu com suas mãos, e deu uma risadinha, meio sem graça, e falou: Miss, you should really look for watches in the kids section) sofrem tanto! Não há protetores de orelhas, cachecóis e luvas que me esquentem.

Então, no final de mais um texto, sem pé, muito menos cabeça eu digo, mas por favor, não joguem isso contra mim no futuro: QUE SAUDADE DO CALOR! QUERO SUAR, QUERO LIGAR O AR CONDICIONADO, QUERO TOMAR BANHO E ASSIM QUE SAIR DELE DESEJAR NUNCA TER SAÍDO DEBAIXO D` ÁGUA. QUERO SENTAR NO BUTECO DO BAIRRO, SEGURAR UM COPO DE COCA SEM PENSAR QUE ESTÁ QUEIMANDO MEUS DEDOS, QUERO RESPIRAR PELO NARIZ E EXIBIR MINHAS ORELHAS! AI QUE SAUDADE DO CALOR!

*Os Britoes nao se consideram como parte da europa! Vai entender!