Momento Jabá

Sites coletivos de compras são a forma de comprar produtinhos, serviços na net com descontos. E quem não gosta de desconto, hein?!

Já fiz um post de sites de descontos da Europa, então agora é hora do Brasil.

O esquema é o mesmo, há diversas promoções de restaurantes, serviços estéticos, roupitchas… Os mais famosos são Peixe Urbano, Groupon, Privália, Brandsclub e o Divas.

Chega de pagar preço inteiro! hahaha

Cornuália, um país dentro da Inglaterra

O título é piegas. Propaganda de governo estadual que quer destacar as diferenças culturais presentes na região. Infelizmente não pude colocar outro título neste post senão este.Vou me segurar e evitar fazer piadinhas e piadelas que o nome nos remete.

A Cornuália (em Cornish kernow) é uma das nações celtas. Ainda tem presente uma culinária (pasties – espécie de pastel, cornish cream, cornish ice cream), a língua cornish, história…)

A Cornuália é um lugar lindo! De estradas estreitas que me fizeram soltar gritinhos de adolescentes histéricas diante dos Backstreet Boys. As estradas eram tão estreitas que, quando um outro carro vem em sua direção, você tem que torcer para que o outro motorista engate a ré (cara de paisagem, medo, ou cruzar os braços ajuda ao motorista a sua frente engatar a ré).

Então, a Cornuália, ou Cornwall, é um lugar que me apaixonei. Sempre fui fascinada pelo interior da Inglaterra, prefiro Chichester a Londres (minha cabeça será cortada em 5, 4, 3…), e Cornwall é um lugar de beleza ímpar, cultura exacerbada e praias infinitas.

Nossas paradas foram em Saltash, Padstow, Fowey, Truro.

Super indico!

Ode à distância

São vários os tipos de relacionamento que uma pessoa pode ter. Tem o namoro yoyo, que é uma de termina/volta o tempo todo; tem o namoro mudo, que raramente o casal conversa, no máximo se beijam e ficam naquele silência mórbido; tem o namoro chiclete, que o casal faz tudo, se bobiar até vão juntos quando a natureza chama e pouquíssimas pessoas tem paciência (e estômago) para ficar por perto; tem o namoro de fachada, o de das almas gêmeas, o dos melhores amigos, e o namoro à distância.

O namoro à distância é aquele que, de vez enquando, junta todos os tipos acima. É nesse que eu me encaixo atualmente. O relacionamento à distância não é nem mais nem menos complicado do que um relacionamento “presencial”.  Ele precisa de mais atenção, mais cuidado, mais conversa. Mas não é mais complicado.

Quem não gosta de dar satisfações não deve se entregar a um relacionamento assim. Quem gosta de festas, e não abre mão da baladinha com as amigas também deve evitar. Deve-se abrir mão do churrasco do tio da amiga, para ficar em casa, num sábado de sol, para conversar, pela internet, com o outro, do outro lado da câmera, sabe-se lá onde.

O termo abrir mão deve ser normal, habitual. Abrir mão pela outra.

É um relacionamento intenso. E por experiência própria, e por relatos de amigas que vivem a mesma situação, não é um relacionamento de altos e baixos. É, contrariando o que a maioria pensa, muito mais estável que muitos relacionamentos presenciais. Não ha briga, nem discussões, nem picuinha. Cada momento é vivido com muita intensidade. A conversa é essencial. Sem conversa não há relacionamento. Sem conversa a distância física é quadruplicada. E aí sim, tudo fica muito mais difícil. Aí sim, é um relacionamento fadado ao fracasso. Aliás, qualquer tipo de relacionamento (não só amorosos, amizade, fraternos, familiar, profissional) sem conversa é fadado ao fracasso.

Pros lados de cá, nessa terra onde se canta o sabiá (rimo muito!!!), está rolando uma discussão sobre machismo causada por dois realities show: BBB 11 (ONZE, sim, onze. Me diz como sobrevive?!) e Troca de Famílias. A escritora Clara Averbuck foi uma das mães trocadas e descobriu, tempos depois da gravação dor reality que o seu marido a chifrou com a outra mãe. Ela alega que MILHARES de mulheres mandaram mensagens falando que a culpa era dela, que ela não conseguiu segurar o marido. No BBB os homens tratam as mulheres como lixo, e ainda assim há grupos de mulheres defendendo-os.

Os dois realities shows só foram mencionados para tocar no assunto da traição. Quando conheço uma pessoa e ela me pergunta sobre namorado, falo que Mr. M mora na Inglaterra. Por incrível (ou não) que pareça, normalmente, ou arriscaria dizer sempre, as mulheres  fazem comentários de que o que o coração não vê os olhos não sentem, que ele deve estar lá com outra e eu aqui, não aproveitando nada. Por favor! Me poupe. O relacionamento que vivo é na base da confiança, e não na base do que se pode fazer sem que o outro descubra. Essas meninas são as que vivem o relacionamento mudo, submisso e normalmente acabam solitárias. Machistas não devem se envolver no relacionamento à distância.

Sweetie, soon we will be together again, not temporarily. Soon we will be seeing eachother everyday, living the life we always dreamed of. I love you so much, eternaly! You are my best match! My other half. Te amo!

 

Dedos cruzados

Então, contei pra vocês sobre o J. Vou contar mais um pouquinho sobre ele.

Eu o conheci da seguinte forma: uma amiga de faculdade pediu para traduzir uma reunião com um cliente gringo. Fui feliz. Chegando lá, a reunião andou de tal forma que no final, J. me incluiu no contrato.

Ia com J. para reuniões com clientes, para traduzir, buscava investidores… J. sempre me tratou como uma kiddo mesmo. Acho que ele não tem filhos, então, meio que decidiu cuidar de mim, no que pudia. Sempre ligava pra saber se precisava de alguma coisa, se tinha alguém me importunando, me levava em reuniões sérias para que eu aprendesse um pouco do negócio.

Quando sai da empresa (não dava para conciliar com a faculdade porque começou a ter que precisar de viajar, e os lucros ainda eram quase uma gorgeta), perdi o contato com ele.

2 anos se passaram e J. se divorciou e seu principal colaborador lhe deu uma facada nas costas (não literalmente). Ele precisava testemunhas, pois tudo girava em torno do contrato que eu me referi no post lá de cima. O pai da minha amiga me ligou pedindo para entrar em contato com ele. E assim o fiz.

Hoje, ele me mandou um email, falando que logo um cara de um banco de Londres irá entrar em contato comigo!

FINGERS CROSSED!

 

Sol e verao

Lembram daquela propaganda da Skol ah o verão, onde o locutor conta o que é o verão.

E só hoje, percebi que nem todo mundo aproveita o verão da mesma forma. Eu, por exemplo, nunca gostei de verão. Verdade seja dita, o sol me machuca. Mesmo. Tomo sol e lá estou vermelha e dolorida. Vermelha e descascando. Descascando e descolorindo. E volto a ser branca. É esse o caminho que o sol faz em mim. Isso quando não decido tomar sol e o tempo fecha, a chuva cai, e byebye sol de verão.

Na Inglaterra o sol/verão é aproveitado de uma forma diferente. Parques e picnics em tudo quanto é lugar. Aqui no Brasoca fiz picnic somente no Zoológico, em excursões do colégio ou em idas com minha mãe e padrasto. Mas nunca fiz aquele pinic digno, sabe?!

Meu primeiro picnic de verdade foi na Inglaterra. Mr. M e eu fomos ao Mark Spencer e compramos coxas de frango (cozidas e frias), umas mini salsichas, palitos de queijo, um enroladinho com alguma coisa dentro (juro que não sei o recheio do salgadinho, mas deve ser carne de porco) e vários molhinhos. Fomos para o Priory Park. Sentamos na grama, comemos, deitamos na grama, eu dobrei a calça e as mangas da blusa. Pronto. O melhor estilo gringa.

Aqui há uma necessidade de ir para a praia. A praia para nós é sinônimo de verão.

e ai fulano, vai pra onde nas férias?

– Ah cicrano, vou ficar por aqui mesmo…

– Mas nem uma praia?Vai ficar por aqui mesmo?

É quase um ar de desapontamento quando não vamos à praia. Acho que o gringo aproveita mais o verão que nós. Nós que eu digo é belorizontino. Agente não faz nada. Não aproveita o sol. Preferimos ir ao shopping, porque tem ar condicionado, a fazer algum programa ao ar livre.

Estou tentando ir ao clube todos os dias depois do almoço. Ainda estou em período de reconciliação com o sol. Vou lá, tosto a frente, tosto atrás (aprendi que tem que tostar de lado! Mas pára né?! Muito sou viciada em sol para minha brancura). Fico no máximo uma hora entre a piscina, o sol, a sombra e o passar de protetor solar com fator que ajuda ao bronze (que coisa mais cafona do que falar “vou pegar um bronze”, “vou me bronzear”)?

E com vocês, o sol de hoje.

Ah, como vocês aproveitam o verão?

Jet Lag

Jet lag é uma condicao fisiológica consequente da alteracao do rítmo cardíaco. Em outras palavras, jet lag é ficar acordado enquanto todos dormem, é ter fome quando ninguém tem, é dormir quando está na hora de acordar.

Minha vida está assim no momento. A jet lag que deveria ter se curado há alguns dias continua firme e forte. Tao firme e tao forte qua na quarta feira passada cheguei no médico com duas horas de antecedencia. Coincidencia ou nao, duas horas é a diferenca de horário do Brasil e da Inglaterra.

Ando procurando a marcha do carro com a mao esquerda. Estou extremamente calma no transito, acreditando que por dirigir na faixa da direita, as pessoas vao se tocar que eu to vindo e mudar de faixa. Ai vem a frustracao. Isso nao acontece.

Vou ao supermercado e passo na sessao de world food pra ver se encontro palmito, arroz (sem ser prá microondas), feijao preto… E apesar de nao se encontrarem na world food, estao pelo supermercado.

Ainda nao cheguei em casa depois da meia noite. Afinal, nem lembro da ultima vez que um pub ficou aberto até o último cliente. Em BH nao tem pub. Bom, ter tem. Só no nome. Lord Pub. É o único que eu consigo pensar, e nao se parece, em nada, nos pubs ingleses. Nem de longe. Nem de nome. Afinal, onde já se viu um pub que se prese ter o PUB em seu nome? Pubs sao chamados de The Vestry, Prince Charles, Henry VIII, Nags Head, The West e nao Lord Pub!

Tento me re adaptar, mas é tao difícil. É tao complicado voltar ao que era antes. É complicado ser X. Ai voce sai do seu ninho e vira X+1, X+2. Agora tenho que voltar a ser X. Nao quero ser X. Alguém explica isso prá minha família?

Sinto falta do frio (oke Deus, sei que eu reclamei, experneei, implorei para que o frio fosse ameno, que desse pra sair de short de casa, mas esse calor é desumano, castigo), da cidade pequenininha comparada a BH, sinto falta dos roasts dinners, sinto falta de colocar meias. Meias me fazem arrepiar. Segredo: ODEIO PÉ QUENTE. Sou daquelas que no verao coloca uma toalha molhada no pé para ficar mais fresquinho.

Há alguns anos ajudei um americano a montar a empresa dele de mineracao. Ontem encontrei com ele, e contando de minhas aventuras expliquei que queria voltar, mas só posso voltar com visto de trabalho (ultra difícil de conseguir), com o visto italiano ou casada. O casada foi excluído das possibilidades, entao só me restara duas opcoes. J. olhou nos meus olhos e falou “dont worry kiddo, i will take care of it. I know a few people from banks that always need bilingual employees. Im sure I can find something for you”. Oke, nao sei se acredito nessas promessas, porque, na boa, nada cai do céu, e é difícil de acreditar que depois de tanto sofrimento, a solucao estaria a um email de distancia. Bom, nao tenho high hopes mas estou torcendo para que de certo. Positive vibes to J.

Sweet Home, Belo Horizonte

De volta as origens. Por onde olho tenho a impressao que o tempo parou. Quase nada mudou na minha cidade. Talvez um prédio ou outro tenha sido terminado, um muro ou outro pintado, algumas diversas casas demolidas (qualé a desse povo que gosta de demolir casas antigas. Logo nao teremos nenhum casarao dos anos 50 e 60 em Belo Horizonte).

Ainda estou em processo de readaptacao. Sempre acho que a readaptacao é bem mais difícil que o de adaptacao.

Sinto muitisssiiima falta do M., mas logo ele estará na terra do pao de queijo. Hmmm pao de queijo, sabe que ainda nao comi nenhum?! Se quiser, no entanto, terei de ir numa padaria. Minha mae, aproveitando o ano eleitoral que se passara, resolveu fingir que é política tentando a reeleicao e está colocando a casa a baixo. Ha apenas UMA única e solitária pia nesta casa. Nao há piso no chao da área de servicos e cozinha. O banheiro nao tem box, armários ou espelhos. A cozinha está no meio da sala de jantar, ao lado do fogao e, salvo engano, da máquina de lavar roupas.

As 8 e meia da matina, pedreiros comecam a quebrar paredes do apartamento onde passei minha vida toda praticamente.

Uma vez, minha mae queria porque queria mudar. Saimos a procura do apartamento perfeito. Lembro-me de ir a diversos apartamentos, ir a um determinado quarto e abrir a janela. Se a vista me agradasse, ponto pro imóvel. NENHUM apartamento ganhou da minha vista. E olha que a minha vista inclui DIVERSOS prédios! Pouquissimo verde, e muito transito.

Meu pai, ha mais de 20 anos, colocou estrelinhas no teto. Elas brilham até hoje. Nao tenho coragem de tira-las.

Em tempo, nao posso deixar de informar aos meus amigos expatriados que em Belo Horizonte fazem média de 30 graus, céu azul e piscina! Rá!