Profissao

VENDENDO CAPAS DE IPHONE 4 NO MERCADO LIVRE! hahahaha

Negócio Lucrativo!!!
Ganhe dinheiro dormindo!!

Mas depois enfrente a fila dos correios!

Anúncios

Na outra ponta do lápis

Olá, me chamo Ana e coleciono lápis!

posso ouvir o coro de três ou quatro outras pessoas que tem da mesma mania que eu compartilho

E tal foi minha alegria quando na manhã cinzenta desta segunda feira recebo pelo correio minhas ponteiras de lápis! Aí quase que não me agüento de felicidade!

20111017-102011.jpg

You’ve got text msg

“Foram três as maçãs que mudaram o mundo: a de Adão e Eva, a de Newton e a de Steve Jobs”.

Ah não Dona Miss Cherry, você não vai começar a fazer uma Ode à Steve Jobs, né?!

Acalmem seus corações. Não irei fazer uma Ode à Steve Jobs, mas mesmo involuntariamente ele tem a ver com esse post.

Quando cheguei na Inglaterra, pela primeira vez, Mr. M me entregou um celular e um sim card da O2. Me informou empolgadíssimo que aquele sim card me daria mensagens ilimitadas, se colocasse, por mês apenas £10. Mensagens ilimitadas? Nunca vi, nem tinha ouvido falar. Pensei que seria mais jogo pra mim, me darem um plano com 50 mensagens por mês, afinal nunca fui muito de mandar mensagens de texto! Sempre fui fiel defendedora da ligação, da voz, da emoção.

Andando nas ruas, as pessoas andavam vidradas na tela do seu dispositivo móvel. Andavam e digitavam numa frequência que só agente sabe velocidade, sem tropeçar, sem parar para ver se o carro vinha em direção a eles. Mr.M não me ligava. Muito pelo contrário. Recebia mais ligações do digníssimo quando estava no Brasil que quando na Inglaterra, mas as mensagens… pelo menos umas 20 por dia, isso quando o dia era um dia ocupado. Comecei a tentar andar e digitar no celular. Não, não era possível. Precisava de mais treinamento.

Quem aqui não sabe de cor onde ficam as letras num teclado de telefone? Adorava o fato que BEIJOS bastava digitar (quando já tinha aquele dispositivo que “adivinhava” o que você queria digitar) 234567 (vai lá, vou dar uma pausa para você verificar que eu estou certa).

Mr. M não gosta de falar ao telefone. Prefere mensagem, assim como 90% da população inglesa.

Com o tempo, a moda SMS chegou ao Brasil, e chegou junto com os smartphones. Quase já não se fala “te ligo”. Já é habitual dizer “te whatsappo”, “qualquer coisa te mando mensagem”. É por essas e por outras que TIM e CLARO já lançaram promoções de que você pode enviar mensagens ilimitadas por dia por apenas R$0,50 PARA QUALQUER OPERADORA!

E você acha que Steve Jobs não tinha nada a ver com isso? Foi ele quem colocou o facebook no celular para desespero das operadoras que arrecadavam bons R$0,70 POR MENSAGEM! Começou-se a mandar mensagens via facebook, fazendo desnecessário o envio do SMS. Ai veio Viber, Whatsapp, Skype, entre outros tantos.

Este post aceita patrocínios, inclusíve aceita, para fins de reviews, um iPhone para bunda (4s – for ass). Lembrando que o fornecimendo do iPhone para bunda gerará uma inveja ENORME no Mr.M. Sentimento que será bastante deliciado por esta que vos escreve.

N.A. : sabiam que a MULHER MAÇÃ (oi? Quem?) agradeceu ao Steve Jobs por ter criado a apple com o símbolo da maçã, símbolo que trouxe a ela a fama. Oi? Porfa apple woman!

Doando atencao

–          Você sabe onde fica a rua Ceará? No bairro Bonanza.

–          Segue a rua Direita.. e vai. É no final dela.

Uma plaquinha de madeira, com os números 920 pintados a mão, mostrava que aquela estradinha nos levaria ao Abrigo Aconchego do Céu.

17 crianças moram ali, provisóriamente. Chegaram ali por diversos motivos: abuso, maus tratos, abandono… Assim que você chega vê aquelas mini pessoas todas num canto, te olhando com desconfiança, te analisam, e logo no primeiro contato já ganha uma palavra de carinho: “nossa tia, seu cabelo é lindo! Olha como é liso!”. Na hora penso “é… os minutos no secador valeram a pena!”

Converso com um, pergunto o nome de outro, faço cóssegas na criança que senta ao meu lado mas ainda não olha no meu rosto. Uma lindinha com um sorriso enorme, um olhão super brilhante e cílios de dar inveja se aproxima e pede colo. É ela que cria um elo de confiança entre eu, Raquel e Tatá e as outras crianças. Quando dou por mim, já estou de pé cantando e dançando fui no mercado comprar jirimum, e a formiguinha subiu no meu bumbum… eu sacudi, sacudi, sacudi, mas a formiguinha não parava de subir.

Apesar dos diversos sacos de balas que preparei com muito carinho, eles não se importaram. Queriam nossa atenção. Um colo, um abraço apertado, um elogio.

M., a menininha do olhão, quase não tocou seus pés no chão. Foi de braços em braços durante as duas horas que passamos lá. L., um menino espertíssimo, lindo, não parava quieto. Queria correr, pular, brincar. A tia aqui não tem energia para correr, brincar e pular com 17 crianças, e L. valia por uns 4, sem brincadeira.

L. tem uma madrinha, que o busca em feriados, finais de semana e férias, e o leva para passear, passar um tempo fora do abrigo. Naquela noite, eles iriam viajar para a praia. Apesar de toda a excitação que uma viagem dessa possa gerar em uma criança de 5 anos, ao ouvir o chamado da madrinha para se despedir dos amigos, ele disse que não iria. Que queria ficar e correu para meu colo. Tive que falar que eu mesma já estava indo embora, e com a promessa que teria que voltar, L. aceitou ir.

Saimos de lá com o coração apertado. Como pessoas podem mal tratar, abandonar e abusar de crianças assim? Que mal uma criança dessas poderia causar para ser tratada dessa forma tão má?

L., era mal tratado. A mãe e seu companheiro usuários de drogas, o deixavam o dia inteiro na rua, até que foi atropelado, levado ao hospital. A polícia foi acionada e ao verificar as condições que ele e seu irmão,H., um garoto suuuuper inteligente, viviam, foram retirados do poder da família, e levados ao abrigo.

M., fora abusada pelo pai e mãe.

As outras crianças ou foram mal tratadas ou abandonadas pela família.

Quem quiser ajudar, o abrigo se chama Aconchego do Céu. O telefone é (31) 3642-8116. Eles precisam de doações: material escolar, sabão em pó, frutas, doações em espécie (dinheiro), comida e carinho!