Another day…

Anualmente, no início do ano, vem aquela angústia, aquela saudade infinita, que jamais cessa. Uma saudade, uma falta, uma necessidade de expressar minhas mais sinceras homenagens ao homem de toda a minha vida.

No ano que passou, foram tantos os momentos que quis tê-lo ao meu lado. Somente um cafuné e um colo bastariam para me consolar. Provavelmente assistiríamos um filme clássico (votaria em Cinema Paradiso), e logo a tristeza passaria. Poderíamos, também, tocar piano a quatro mãos.

Não lembro qual time ele torcia. Na verdade nem sei se ele era muito chegado ao futebol. Sua morte prematura me privou de conhecê-lo a este ponto. Sei no entanto que ele gostava de fazer massa. Pediu, inclusive, a minha avó que colocasse um varal de massas na cozinha do sítio.

Lembro também que ele não ligava para opiniões de estranhos. Quantas vezes me carregava no colo (como se fosse uma baguete de pão, de baixo do braço), vestindo pijamas, com o cabelo (toin toin até o talo) completamente desarrumado. Lembro de minha mãe horrorizada quando viu entrar pela porta meu pai e eu, descalços, carregando pão.

“Tarcísio, você não tem juízo nenhum!!! Levou a menina descalça na padaria. Ah Tarcísio, e nem para colocar uma roupa nela!!! Levou a menina de pijamas”!

“Calmaaaaaaa mãe” disse ele.

Com meus quatro anos (talvez menos) achava estranhíssimo meu pai, chamando de mãe, a sua esposa. Não fazia sentido e, talvez por isso, me fazia rir tanto.

Há 22 anos você foi tirado de mim. Há 22 anos, nessa data choro de saudade de alguma coisa que não tive, e sorrio de felicidade pura de tudo que passamos. Minha memória de peixe me dá uma trégua e consigo relembrar muitos de nossos momentos. Lembro, inclusive, do seu cheiro (thanks, brain!). Oh paizinho… que falta o senhor me faz. Que alegria seria se estivesse aqui comigo. Me falaram tantas vezes para não desejar o que não posso ter, mas como evitar, se tudo que mais quero é você comigo? Como evitar desejar ter tido mais tempo com você, quando ao meu redor, a maioria conviveu com você por anos e anos a mais que eu?

Amo-te com todo o amor que uma filha pode amar o pai.

Sinto saudades com toda a saudade que um coração pode aguentar.

20130111-140606.jpg

Anúncios

2 pensamentos sobre “Another day…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s