Parte 1 – O primeiro jogo

Acordei com uma mensagem no grupo do whatsapp “Bom dia pra você que vai ficar com nó na garganta, arritmia cardíaca e estomago fragilizado o dia todo”. Apesar da minha resposta foi crucificando o sem mãe que às 5:50 da manhã mandava aquela mensagem e me fez acordar 20 minutos antes do meu relógio despertar, sabia que meu amigo não poderia estar mais certo.

Quem que consegue sentar à frente do computador, no dia de hoje, sem verificar, a cada 10 minutos, as notícias do Galo em todos os portais de notícias do país.

Apesar da torcida contra de vários cruzeirenses, a maioria das pessoas que conversam acreditam na vitória do galo. Alguns não explicitam dessa maneira, mas reclamam, antecipadamente, do foguetório até altas horas da noite.

Ontem saiu a definição sobre o estádio da finalíssima. A Conmenbol anunciou que a final não poderia ser no Independência pois, pelo regulamento, o estádio deveria ter no mínimo 40.000 lugares. Questionados a respeito da capacidade do Defensores del Chaco, a entidade informou que a capacidade do estádio dos rivais do Galo preenchiam o requisito do regulamento, conforme laudo apresentado a eles. Segundo o laudo, a capacidade do Estádio paraguaio seria de pouco mais de 40 mil lugares, o número inferior de bilhetes à venda para as partidas seria por questão de segurança e conforto. Argumento questionável, mas não acredito que exista instância superior para se recorrer da decisão. A final será mesmo no Mineirão.

Temo pelo valor dos ingressos. Há boatos que o mais barato será R$150,00. Acho caríssimo. Podem falar que é final de Libertadores, que é assim mesmo. Ok. Não discordo que os clubes tem uma ótima chance de arrecadar com esses eventos (dizem que o Galo pode ter uma renda de cerca de R$8.000.000,00 – oito milhões de reais), mas que o ingresso é caro, isso é.

Hoje será uma das noites mais longas da minha vida. O relógio parece andar para trás, e as horas não avançam. Unhas pra que? A maioria delas já estão roídas, as poucas que restam intactas sabem o seu futuro fatídico.

Vamos Galo!

EU ACREDITO!

In hortus incidit, mortus est

Domingo, dia das mães, acordo e ando pela casa. Dormi tarde na noite anterior, o que não fez com que acordasse cedo. Procurei, em vão, pela minha mãe. Nada. Lembrei-me que ela viajara no dia anterior. Dia das mães, sem mãe. Não haveria muito que fazer, restaurantes abarrotados de mães e sua prole, supermercados com filas intermináveis com pessoas comprando alguma “coisinha pra levar pro almoço de família”. Pouquíssimas opções restariam para aquele dia fadado ao tédio.

Dei uma corridinha (4 km só pra queimar a única caneca de cerveja consumida na noite anterior), e levei o carro para lavar. Não sei qual é o caso de carro sujo e mulher. Por mais que eu entenda, saiba e veja a necessidade de lavar o carro, passo semanas (ou meses) sem que o pobre coitado não veja um sabãozinho. Tive que esperar bons minutos na fila do posto de gasolina. Via algumas motoristas desistirem da lavagem mesmo depois de 20 minutos na fila. Permaneci forte. Afinal, teria que matar o tempo daquele domingo.

Carro limpo e aspirado (trabalho exclusivo meu), estava pronta para pensar no almoço. A caminho do supermercado, de supetão, me vi pegar o celular e ligar para um amigo:

– Jonas, tem Galo na Veia (sócio torcedor do galo) ainda?

– Tem sim.

– Segura ai, que é meu!

Pronto. A decisão que mudaria a cara do meu domingo.

 Quem nunca esteve em um estádio de futebol, jamais saberá mensurar os sentimentos que descreverei abaixo.

O Independência, a casa do Galo, foi projetado de uma forma que te coloca quase dentro de campo. O barulho que vem das arquibancadas é ensurdecedor, apesar da existência de assentos numerados, ninguém os utiliza, a não ser como forma de localização “oh fulano, estou no W98”.

Antes do início da partida, os jogadores entraram com uma convidada especial. Como era dia das mães, várias mães presentes percorreram o caminho do vestiário ao centro do campo. Em especial a Dona Miguelina, mãe de Ronaldinho Gaucho. Lágrimas desciam dos olhos de vários torcedores, principalmente das torcedores… “ahhhh, é Miguelina”!

Imagem

Ao meu lado, de pé, como todos, um senhor dos cabelos brancos e olhos azuis bradava gritos mais contidos, sem muitos palavrões. Comentava comigo que ele, se jogador fosse, não perderia os gols que foram desperdiçados. Começamos a contabilizar, da nossa maneira, o placar moral do jogo.

Pênaltis não marcados pelo juiz: 2

Lances de perigo e gol eminentes: 3

Gols feitos: 3

Placar moral: 8

Durante todo o jogo, o ditado, entoado em forma de hino, se fazia valer: “Caiuuuuu.. no horto, tá morto! Caiu… no horto, tá morto”. Jogadores tinham seus nomes gritados, até o técnico Cuca.

Ao marcar de um gol, o estádio explodia de gritos, pulos, abraços, apertos de mão. Como uma família, todos ao seu redor se cumprimentam e comemoram. O senhor, de cabelos brancos, só faltou me jogar para cima. No pular dos torcedores, uma onda se formou, não dá para ficar parado. Lembra das aulas de física no colégio, que o professor pega uma corda, a amarra em uma extremidade e na outra faz movimentos? Os braços ao redor de meu pescoço e cintura determinam o movimento do corpo: para cima e para baixo. Um pouco para frente, esbarra no encosto da cadeira da frente, volta, esbarra na cadeira, que seria a sua, e volta para frente. Tudo isso mantendo o movimento: pulando… para cima, para baixo.

A onda, quase uniforme, me causou estragos…

Às vezes, me perdia no jogo, ao reparar a torcida. Cantavam e pulavam. Faziam movimentos que, à distância, me lembravam de uma onda do mar. Os movimentos pareciam ensaiados. Não havia erros naquela coreografia.

3 gols.

O som do apito, antes tão esperado a fim de cessar com o sofrimento, com a angústia de um placar pífio e de um jogo perigoso para nós, agora só nos faz entristecer. Não ao ponto de gerar tristeza. Apenas diminui nossa alegria de ver aquele jogo. Jogo não! Espetáculo. O som do apito do árbitro, ao final de uma partida, me traz a mesma sensação de ouvir o cantor da minha banda favorita informar que será tocada a última música. Por mim, o jogo só terminaria quando não houvesse mais energia para se jogar. Ou pular e gritar.

Voltei para casa de alma lavada. Ficar em casa naquele domingo faria com meu coração pulasse para fora do peito até o jogo acabar.

Bora galo! Domingo que vem, se conseguir ingresso, estaremos lá.